E pera declaração
desta obra santa et cetra...,
quisera dizer quem são
as figuras que virão
por se entender bem a letra.
                                            Gil Vicente
  ... em  Romagem dos Agravados.
Gil Vicente
   Renascença e Reforma - Líderes políticos e ideólogos - Ideologia e História da Europa
Online desde 2008 - Investigação actualizada sobre as obras de Gil Vicente.
Retórica e Drama - Arte e Dialéctica
Teatro 1502-1536
o projecto
eBookseBooks
MP3 Player requires JavaScript and the latest Flash player. Get Flash here.
Romance à morte de el-rei Manuel I de Portugal
1521
        De Gil Vicente à morte do muito alto e esclarecido rei dom Manoel, o primeiro do nome.
Quem longa vida deseja
deseja ver-se enganar
pois que lhe vejo chamar
vida, nam que vida seja
senão a modo de falar.

E pois no triste acabar
se começa o desengano
[ falta um verso... ]
nam sei quem vai desejar
que dure a vida de engano.


Riqueza ou grande poder
ou mui alta senhoria
ou bonança ou alegria
pois logo deixa de se ser
quando era e que seria.

Ó vida vã e vazia
ocupada em presunção
aprende com discrição
porque cada hora do dia
te dá o mundo lição.


Oh quem viu as alegrias
daquelas naves tam belas
belas e poderosas velas
agora há tam poucos dias
pera ir a ifante nelas.

Vai buscar o senhor delas
rei que o mundo mandou
verás que tal se tornou
e verei como te velas
da vida que o enganou.


Vela-te vida na vida
nam sejas morte na morte
guia-te per este norte
de tam súpita partida
de um rei tam são e tam forte.

Deram-lhe a terra por corte
dos cortesãos apartado
e um lençol por reinado
porque o mundo desta sorte
desengana o enganado.

Romance

Pranto fazem em Lixboa
dia de santa Luzia
por el rei dom Manoel
que se finou nesse dia.

Choram duques mestres condes
cada um quem mais podia
os fidalgos e donzelas
muito tristes em perfia.

Os ifantes davam gritos
a ifanta se carpia
seus cabelos fios d’ouro
arrincava e destruía
seus olhos maravilhosos
fontes d’água parecia.

Bem merecem ser escritas
as lástimas que dizia:
paço tam desemparado
derribado merecia
pois a sua fortaleza
se tornou em terra fria.

Ó minha senhora madre
rainha dona Maria
quem a vós levou primeiro
mui grande bem vos queria
pois que vos livrou da pena
que passamos neste dia.

E outras mágoas que de tristes
contar nam nas ousaria.

O príncepe dava sospiros
que alma se lhe saía
suas lágrimas prudentes
como a gram senhor compria
de dia sempre velava
de noite nunca dormia.

A rainha estrangeira
já chorar o nam podia
com rouca voz dolorosa
estas palavras dezia:

Oh reina desemparada
qué haré sin compañía
pues que en esta triste vida
sola una vida tenía
y pues que me la llevó la muerte
para qué quiero la mía?

Oh sin ventura casada
tres años no más había
quien tan presto fue veuda
triste pera qué nascía
niña sola en tierra ajena
huérfana sin alegría?

Se ua vez acordava 
outras sete esmorecia
assi pedia a Deos morte
como quem pede alegria
dizendo: llévenme luego
qu’esta tierra ya no es mía.

Por la mar por donde fuere
algún peligro venía
que me matase a mí sola
salvando la compañía.

O bom rei em seu acordo 
deste mundo se partia
sua morte conhecendo
com muita sabedoria.

Per palavras piadosas
os sacramentos pedia
falando sempre com todos
deu sua alma a quem devia.

Morto levam o gram rei
senhores de grã valia
dizendo uns aos outros:
oh que triste romaria
que grande amigo perdemos
e que doce companhia.

Já passada a mea noite
três horas antes do dia
metido em um ataúde
o que ainda regia
o gram senhor d’oriente
dos seus paços se partia.

Seiscentas tochas acesas
escuras a quem as via
triste pranto até Belém
nem passo nam se esquecia.

Em terra fica enterrado
porque assi mandado havia
conhecendo que era terra
a mundanal senhoria
disse que os vãos tesouros
à morte nam pertencia.

Dês que ficou enterrado
cada um se despedia
dizendo estes versos tristes
à gloriosa Maria:
       Orações dos grandes de Portugal a nossa senhora depois de enterrado el rei.
O duque de Bragança

  Senhora virgem gloriosa
que leixaste sepultado
o verbo deificado
vestido da carne vossa
do mundo desemparado.

Este vosso encomendado
rei que tanto vos queria
que lhe dês tanta alegria
como nos leixa cuidado
neste dia.


O mestre de Santiago

  Senhora dos três reis magos
e de todolos senhores
coroa de emperadores
que tragastes tantos tragos
tristes polos pecadores.

Polas vossas santas dores
qu’este rei que era nosso
haja de vós os favores
como um dos servidores
que foi vosso.


O marquês de Vila Real

Ó d’ab enício senhora
preservada e conservada
ante que os anjos criada
por sua superiora
no seo de Deos guardada.

Pois que fez esta pousada
el rei em vossa memória
ponde sua alma na glória
per vossa mão laureada
de vitória.


O marquês de Torres

Senhora que o rei dos céus
viste na cruz espirar
espirar e lamentar
dizendo: ó Deos meu Deos
foste-me desemparar.

Vós queirais lá emparar
este rei que aqui leixamos
em tam escuro lugar
e a nós alumiar
que vos vejamos.


O conde de Marialva

  Senhora senhora nossa
senhora nossa avogada
sereis deste rei lembrada
por aquela santa hora
que fostes encomendada.

Cá vos fica soterrada
sua alteza e consomida
dai-lhe lá vida mudada
porque a vida aqui lograda
nam é vida.


O bispo d’Évora

  Cá vos fica este senhor
pobremente sepultado
senhora seja lembrado
que em vosso santo louvor
o achei sempre ocupado.

I fica desemparado
c’o pago que o mundo dá
de terra emparamentado
senhora tende cuidado
dele lá.


O conde de Tentúgal

Senhora nós nos partimos
desconsolados e tristes
como quando vos partistes
donde vosso filho ouvimos
que morto enterrar o vistes.

Peço-vos pois o paristes
Deos e homem natural
que a esta alma real
deis o bem que descobristes
eternal.


O conde da Feira

Emperatriz das alturas
sobre os coros enxalçada
pera sempre alomiada
aqui vos fica às escuras
o rei da grã nomeada.

Acabou sua jornada
senhora muito emproviso
ó virgem toda paraíso
dai-lhe glória desejada
pois sois isso.


O conde de Penela

Senhora nossa esperança
triunfo de nossa vida 
nave de certa guarida
fiel de fina balança
nossa carreira sabida.

Ó sem mágoa concebida
redentora de Israel
dai a el rei dom Manoel
a glória que nos foi havida
per Gabriel.


O conde d’Alcoutim

  Querelo-me senhora a vós
de nossa vida enganosa
que além de trabalhosa
parte-se breve de nós
pera terra tenebrosa.

Lá queirais ser piadosa
ao rei que ora enterramos
e a nós que isso esperamos
nos dai esperança vossa
até que vamos.


O conde de Portalegre

  Ó virgem que a Deos paristes
junto com Jerusalém
no santo lugar Belém
consolai os choros tristes
que Lixboa agora tem.

Aqui leixamos seu bem
tornado nem bem nem mal
ó rainha imperial
amerceai-vos de quem
deveis mais que a ninguém
em Portugal.
- Livros publicados no âmbito desta investigação, da autoria de Noémio Ramos:

(2018)  - Sobre o Auto das Barcas de Gil Vicente, Inferno, ...a interpretação -1.
(2017)  - Gil Vicente, Aderência do Paço, ...da Arcádia ao Paço.
(2017)  - Gil Vicente, Frágua de Amor, ...a mercadoria de Amor.
(2017)  - Gil Vicente, Feira (das Graças), ...da Banca Alemã (Fugger).
(2017)  - Gil Vicente, Os Físicos, ...e os amores d'el-rei.
(2017)  - Gil Vicente, Vida do Paço, ...a educação da Infanta e o rei.
(2017)  - Gil Vicente, Pastoril Português, Os líderes na Arcádia.
(2017)  - Gil Vicente, Inês Pereira, As Comunidades de Castela.
(2017)  - Gil Vicente, Tragédia Dom Duardos, O príncipe estrangeiro.
(2015)  - Gil Vicente, Auto dos Quatro Tempos, Triunfo do Verão - Sagração dos Reis Católicos.
(2015)  - Gil Vicente, Auto dos Reis Magos, ...(festa) Cavalgada dos Reis.
(2014)  - Gil Vicente, Auto Pastoril Castelhano, A autobiografia em 1502.
(2013)  - Gil Vicente, Exortação da Guerra, da Fama ao Inferno, 1515.
(2012)  - Gil Vicente, Tragédia de Liberata, do Templo de Apolo à Divisa de Coimbra.
(2012)  - Gil Vicente, O Clérigo da Beira, o povo espoliado - em pelota.
(2010)  - Gil Vicente, Carta de Santarém, 1531 - Sobre o Auto da Índia.
             - Gil Vicente, O Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura" 
(2ª Edição, 2017)
(2010)  - Gil Vicente, O Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura".
(2010)  - Gil Vicente, Auto da Visitação. Sobre as origens.
(2008)  - Gil Vicente e Platão - Arte e Dialéctica, Íon de Platão.
             - Gil Vicente, Auto da Alma, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II... 
(2ª Edição, 2012)
(2008)  - Auto da Alma de Gil Vicente, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II...

- Outras publicações:
(2003) - Francês - Português, Dicionário do Tradutor. - Maria José Santos e A. Soares.
(2005) - Os Maios de Olhão e o Auto da Lusitânia de Gil Vicente. - Noémio Ramos.

  (c) 2008 - Sítio dedicado ao Teatro de Gil Vicente - actualizado com o progresso nas investigações.

eBookseBooks
O Teatro de Gil Vicente
GrammarNet