E pera declaração
desta obra santa et cetra...,
quisera dizer quem são
as figuras que virão
por se entender bem a letra.
                                            Gil Vicente
  ... em  Romagem dos Agravados.
Gil Vicente
   Renascença e Reforma - Líderes políticos e ideólogos - Ideologia e História da Europa
Online desde 2008 - Investigação actualizada sobre as obras de Gil Vicente.
Retórica e Drama - Arte e Dialéctica
Teatro 1502-1536
o projecto
eBookseBooks
MP3 Player requires JavaScript and the latest Flash player. Get Flash here.
"Epitáfio" / Frontispício (rosto do livro das obras)
      A última referência de Gil Vicente a si próprio tem por título Sepultura de Gil Vicente, referindo-se ao texto morto do Livro das Obras, um incompleto esqueleto, uns poucos de ossos e a caveira, - resíduo da cabeça - que diz os versos da lápide. Pois, para se ajuizar o seu valor haverá que dar-lhe vida: acção no lugar e tempo, O gram juízo esperando / jazo aqui nesta morada / também da vida cansada / descansando.
      Também queremos reafirmar o que dissemos sobre o trabalho de João Frazão em Sepultura (1991) da Quimera Editores, onde o autor traçou muito bem todo o histórico das análises do epitáfio - seria fastidioso e inútil refaze-lo pois o leitor facilmente o encontrará na Internet - e, pouco mais há para dizer que ele não tenha dito. Contudo, também queremos reafirmar o que dissemos em 2008 apenas filtrando as nossas afirmações pelo que aqui desenvolvemos em mais algum pormenor.
      Pois, repetimos, o enigma do dito epitáfio há de ser lido (interpretado) no contexto da compilação das Obras (trabalho realizado?) pelo próprio autor - o Livro das Obras - e, assim, tanto a Carta Preâmbulo como o dito epitáfio, adquirem uma forma enigmática muito mais precisa mas mais ténue e subtil. Entre a suposta compilação das Obras por Gil Vicente e a Copilaçam de 1562 há certamente enormes diferenças, e fundamentais, a que nos referimos noutra publicação, assim, consideramos que o autor escreveu a Carta Preâmbulo e a Lápide para a Sepultura de Gil Vicente - ao certo nem sabemos se o desenho do autor, com o texto integrado, seria destinado a um epitáfio se a um frontispício, - e os escreveu destinando-os à sua própria compilação das Obras, realizada a mandado de el-rei: Por cujo serviço trabalhei a compilação delas com muita pena de minha velhice e glória de minha vontade, que foi sempre mais desejosa de servir a Vossa Alteza que cobiçosa de outro nenhum descanso.
       Gil Vicente termina a Carta Preâmbulo, afirmando ter concluído mais este último serviço a el-rei, serviço penoso pela sua velhice e, por sua própria vontade, sem descanso algum pelo seu desejo de melhor servir a el-rei. Pois, por fim, o autor pode descansar, e até descansar eternamente, observando o Livro e questionando-o: Livro meu que esperas tu?; enquanto este, - esqueleto incompleto (mas crânio) da sua Obra - espera o gram juízo sobre si e, pela reconstituição do seu corpo completo (com a carne, pele e os sopros de vida), a partir dos ossos presentes - as Obras realizadas, por suposto todas elas presentes na compilação feita pelo autor - também espera o gram juízo sobre o autor ausente: Se meu Mestre aqui estivera tu calaras. Assim, logo após o Preâmbulo o leitor há de enfrentar o descanso do esqueleto incompleto, fragmentos do autor na sua morada, a Sepultura (o Livro das Obras):

O gram juízo esperando
jazo aqui nesta morada
também da vida cansada
descansando
.

      Concretizada no Livro (Sepultura) a sua morada também descansa, mas tanto o texto gravado na Lápide (frontispício da Sepultura), como a imagem do interior nela gravada (caveira e ossos), e como ele próprio (peregrino de si) de dentro do seu Livro das Obras (o esqueleto incompleto, pois, numa lápide, em geral, representa-se o corpo que está interior), também falam e, assim, é sempre o esqueleto na sepultura - o das suas obras - que se dirige ao leitor alertando-o que se prepare para Ver e, observando reflectidamente, ler bem as Obras, pois antes de entrar na Sepultura o leitor é aconselhado pela imagem na Lápide, frontispício do Livro - alguns ossos e, embora com a caveira presente, ossos de um esqueleto incompleto, - em representação da voz vinda de dentro daquela morada, Sepultura, Livro:

Pregunta-me quem fui eu
atenta bem pera mi
porque tal fui como a ti
e tal hás de ser como eu.

E pois tudo a isto vem
ó leitor de meu conselho
toma-me por teu espelho
olha-me e olha-te bem
.

      Nestes termos, o Livro das Obras, a compilação realizada pelo autor em 1536 - que teria por título: Sepultura de Gil Vicente - terá sido apresentado ao rei pela Carta Preâmbulo, abrindo com a Lápide (cuja imagem juntámos), pretendendo (descansado e descansando) que o leitor do futuro faça dele um melhor (o gram) juízo (dos textos das Obras, o seu esqueleto incompleto), para o qual lhe recomenda (entrando na leitura das Obras), a necessidade de uma grande reflexão, - olha-me e olha-te bem - uma reflexão muito atenta sobre os textos das Obras. Entrando, após ser alertado de que não vai encontrar senão, e apenas, resíduos (a caveira e alguns ossos), sem músculos, sem vísceras, sem nervos, sem pele, em suma, sem vida e, portanto não está aí (por completo) Gil Vicente: isso mesmo havia ficado expresso pelo autor no Preâmbulo, ao escrever: Pois rústico peregrino de mim, que espero eu?; e do lado de fora do livro questionando: Livro meu que esperas tu?... Concluindo o Livro na sua resposta, dizendo: Se meu Mestre aqui estivera, tu calaras.

      Pois rústico peregrino de mim, que espero eu? Livro meu, que esperas tu? Porém te rogo que quando o ignorante malicioso te repreender, que lhe digas: Se meu Mestre aqui estivera, tu calaras.

      De facto, Gil Vicente não está por completo nos ossos residuais do seu esqueleto. O autor, peregrino de si próprio, vagueia, completado pela imaginação do leitor atento observando o espelho (as obras), - atenta bem para mim, - considerando no seu ser rústico a sua orgulhosa humildade. Pois, enquanto texto morto, não está nele o seu autor, contudo ele será presente ao leitor através do espelho. Ele estará lá (porque peregrino de si), não pela imagem dada no texto morto, mas ó leitor de meu conselho, toma-me por teu espelho, numa imagem bem reflectida, com certeza algo inversa - no filósofo pelo parvo, no ateu (ou agnóstico) pelo religioso, no crítico pelo panegirista do sistema e sua política, ou, resumindo: (por Platão, em Fedro, 277c) oferecendo à alma complexa, discursos complexos e com toda a espécie de harmonias, e simples, à alma simples - numa imagem tornada viva a partir daquele seu esqueleto incompleto, que constitui o texto das Obras, por seu conselho concretizada pelo leitor observando o seu reflexo reflectidamente.
      Na verdade, pouco se acrescenta ao que tem sido publicado, porém a este texto se deve acrescentar o que publicámos em 2008 em Gil Vicente e Platão, Arte e Dialéctica sobre esta questão da Sepultura de Gil Vicente.
      Num lodo de uma elite social (inculta) pedante, que pretende aculturar a si algumas ovelhas dispersas, se vai afundando ainda mais a Sepultura de Gil Vicente - contentor do esqueleto incompleto, continente da Obra - pois, por mais que tenhamos vindo a insistir, desde há seis anos, na necessidade reVer Gil Vicente, não se vislumbra ainda a forma de salvar o contentor - e, aberto o continente, rever todo o seu conteúdo, libertando aos poucos os olhos da alma - da espécie de lodo bárbaro em que está atolada e levando-a às alturas (parafraseando Platão na República).


O gram juízo esperando
jazo aqui nesta morada
também da vida cansada
descansando.


Pregunta-me quem fui eu,
atenta bem pera mi,
porque tal fui como a ti
e tal hás de ser como eu.

E pois tudo a isto vem,
ó leitor de meu conselho,
toma-me por teu espelho,
olha-me, e olha-te bem.


- Livros publicados no âmbito desta investigação, da autoria de Noémio Ramos:

(2017)  - Gil Vicente, Aderência do Paço, ...da Arcádia ao Paço.
(2017)  - Gil Vicente, Frágua de Amor, ...a mercadoria de Amor.
(2017)  - Gil Vicente, Feira (das Graças), ...da Banca Alemã (Fugger).
(2017)  - Gil Vicente, Os Físicos, ...e os amores d'el-rei.
(2017)  - Gil Vicente, Vida do Paço, ...a educação da Infanta e o rei.
(2017)  - Gil Vicente, Pastoril Português, Os líderes na Arcádia.
(2017)  - Gil Vicente, Inês Pereira, As Comunidades de Castela.
(2017)  - Gil Vicente, Tragédia Dom Duardos, O príncipe estrangeiro.
(2015)  - Gil Vicente, Auto dos Quatro Tempos, Triunfo do Verão - Sagração dos Reis Católicos.
(2015)  - Gil Vicente, Auto dos Reis Magos, ...(festa) Cavalgada dos Reis.
(2014)  - Gil Vicente, Auto Pastoril Castelhano, A autobiografia em 1502.
(2012)  - Gil Vicente, Tragédia de Liberata, do Templo de Apolo à Divisa de Coimbra.
(2012)  - Gil Vicente, O Clérigo da Beira, o povo espoliado - em pelota.
(2010)  - Gil Vicente, Carta de Santarém, 1531 - Sobre o Auto da Índia.
             - Gil Vicente, O Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura" 
(2ª Edição, 2017)
(2010)  - Gil Vicente, O Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura".
(2010)  - Gil Vicente, Auto da Visitação. Sobre as origens.
(2008)  - Gil Vicente e Platão - Arte e Dialéctica, Íon de Platão.
             - Gil Vicente, Auto da Alma, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II... 
(2ª Edição, 2012)
(2008)  - Auto da Alma de Gil Vicente, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II...

- Outras publicações:
(2003) - Francês - Português, Dicionário do Tradutor. - Maria José Santos e A. Soares.
(2005) - Os Maios de Olhão e o Auto da Lusitânia de Gil Vicente. - Noémio Ramos.

  (c) 2008 - Sítio dedicado ao Teatro de Gil Vicente - actualizado com o progresso nas investigações.

eBookseBooks
O Teatro de Gil Vicente
GrammarNet