Auto dos Quatro Tempos

Auto dos Reis Magos

Auto Pastoril Castelhano

Exortação da Guerra

Clérigo da Beira / Escrivães

Liberata / Templo de Apolo

Velho da Horta / Cassandra

Gil Vicente cassandra e velho da horta

Sobre o Auto da Índia

Alma / Papa Júlio II e Erasmo

Gil Vicente Auto da Alma

Visitação / Sobre as Origens

Gil Vicente, sobre as origens

Arte e Dialéctica - Íon Platão

gil vicente e plato
Stop MEE Youtube- VideoStop MEE Youtube- Video
  - Blogs:
irresiliências (blog)
o que eles escondem (blog)
Eugénio Rosa (economista)
Vicenç Navarro (economista)
Fernando Martins (blog)
Gil Vicente O Teatro de Gil Vicente
O Teatro de Gil Vicente
E pera declaração
desta obra santa et cetra...,
quisera dizer quem são
as figuras que virão

por se entender bem a letra.

  ... em  Romagem dos Agravados.
Lendo o Auto da India de Gil Vicente
Ler Erasmo e Gil Vicente

As figuras
nas personagens dos Autos
- os protagonistas -
em Obras


As suas obras dramáticas,
a lista de todos os autos,
em Autos

Datação das obras, dos Autos de Gil Vicente
Gil Vicente, artista da Renascença, reinventor do Teatro
MP3 Player requires JavaScript and the latest Flash player. Get Flash here.

Auto dos Escrivães do Pelourinho Papa Clemente VII
NOTA:
      Clemente VII antes de ser Papa, em 1523, - Cardeal Júlio de Medici - governava Florença em nome dos seus sobrinhos, órfãos de Lourenço II de Medici, e ao seu serviço tinha Nicolau Maquiavel. Depois do saque de Roma, em 18 de Maio de 1527, os Medici (e por ser colaborador deles, Maquiavel) são expulsos de Florença, sendo declarada a República.
     Os florentinos eram contra a presença dos franceses, como eram contra os espanhóis.
          A acção dramática da peça tem, como lugar aparente, a nobre Feira / que há sobrenome Ladra (segundo o patife do Duarte), a Feira da Ladra em Lisboa, o que constitui uma outra figuração muito semelhante àquela apresentada em Évora no Natal de 1524 - o Auto da Feira - a que Gil Vicente deu então o nome de Feira das Graças, e como então dizia o Tempo, falando em nome de quem a rege:

Tempo:
           Em nome daquele que rege nas praças
           de Anvers e Medina as feiras que tem
           começa-se a feira chamada das Graças
           à honra da virgem parida em Belém.    
(185)

        Fala em nome dos banqueiros alemães, em especial pelos banqueiros imperiais, em 1524 Jacob Fugger e agora, no Inverno de 1526 para 1527, com a morte de Jacob em Dezembro de 1525, o seu sobrinho Anton Fugger assume a direcção dos negócios da Banca. Portanto, para Gil Vicente, quer seja a Feira das Graças quer a Feira do Paço, ou a da Ladra, trata-se sempre da mesma Feira, é portanto a mesma feira onde o néscio Gonçalo (o Povo) é espoliado em Clérigo da Beira. Trata-se de figurar a feira imperial que é dirigida - por quem a rege - pela Banca dos Fugger. Então o lugar da acção dramática de Escrivães do Pelourinho é o Sacro Império Romano Germânico, cujo coração está em Itália, no lugar mais vivo da renascença, entre Roma (a cabeça), Veneza e a Lombardia, tendo o seu centro na Toscânia. Estas regiões de Itália (lugar das guerras) é o lugar da Feira, e o tempo da peça decorre num qualquer dia, dos últimos de 1526 ou dos primeiros de 1527. A situação política é de expectativa.
        Quando esta  saga da feira começou, no Natal de 1523 - com a eleição do novo Papa, - ficou definido, digamos, a campo da acção, quando a Ama de Vasco Afonso (Carlos V) o manda a Évora (Roma) a exigir a sua herança (a Itália e a Igreja, como partes integrantes do Sacro Império) que alguém - o novo cura (o Papa) lhe quer tirar: que minha ama / me dixe lá em Almeirim, / nam sei como se ela chama: (65) // Vai sandeu, / a Élvora por alvaral / del rei, que te dem o teu / como [quando] passar o Natal... / E a isto vinha eu... (70)
        Esta referência à ida do rei para Évora (exigir o que é seu) está aqui presente em Escrivães do Pelourinho, e se em Clérigo da Beira o tema, no seu âmago, anda à volta da Itália (território) e do seu Povo (Gonçalo) que está sujeito a todos os roubos e sacrifícios, nesta peça que se lhe segue, mantém-se a questão da Itália, mas agora tudo anda à volta da sua Senhora, a Igreja de Roma. E, excepto o Parvo e, de certo modo, o Moço do Escudeiro, todos os outros querem aquela Senhora, pois a Velha quer o seu Gonçalo da Cortiçada (o Papa), o patife do Gonçalo que anda a jogar contra o Duarte, mas que já perdeu a sua mesa (Banca) noutros jogos e agora anda a tentar recuperá-la, ao jogo nas feiras, como diz o seu escrivão.  Também o Ratinho se chama Gonçalo, tem o mesmo nome que o patife (Gonçalo) que figura o Papa, por ser uma figuração de Florença, ainda governada pelos Medici, em nome do Papa e de seus sobrinhos menores - Alexandre, n.1510 e Hipólito, n.1511, - por alguém, em cuja equipa está Nicolau Maquiavel.

      
(...)

        Claro que o cenário é de uma feira (a da Ladra), e por isso haverá algumas mais bancas e bancadas a comerciar, figurantes em movimento e, algumas das personagens podem passar a entrar e sair. Até que entra o Duarte e inicia a peça, expondo a sua mudança de vida em relação a Clérigo da Beira, o que serve de identificação da figura. Entra depois Gonçalo, que é um jogador inveterado, para avisar que o Conselho, o seu Conselho, decidiu mudar a feira para o Rossio (Vaticano), figurando com isto a mudança de banqueiros pelos Estados italianos do Papa. O referido Amo, de que Gonçalo vendeu a mesa, constitui uma referência aos banqueiros de Carlos V, segundo Duarte, um bom e honrado (rico) amo: foste mal aconselhado / de tal amo te sair (95). Prosseguem o diálogo em descrições sobre as suas nações (suas amas), onde a bebida e a embriaguês constitui uma referência às liberdades dos povos - como no Pranto de Maria Parda - e, depois, jogam, entram em disputa e luta de espada (guerra em curso), até que Gonçalo foge da feira.

      
(...)

        As ambições para dominar a Igreja de Roma são permanentes e estendem-se aos Estados mais poderosos da Europa, todos querem ter os seus cardeais e que algum deles venha a ser eleito Papa, e pagavam grandes somas para que isso sucedesse.
        Porém, a ideia do Sacro Império vai mais longe, era necessário que o Império dominasse a Igreja e que o imperador recebesse do Papa a sua coroação. O projecto imperial, idealizado em conjunto pela aliança de Maximiliano (avô de Carlos V) com os banqueiros de Aubsburgo, os Fugger em especial, e apoiado pelos Reis Católicos, pela Espanha, - ao qual se opõe a França (e mais tarde a Inglaterra), sobretudo quando Francisco se candidata ao lugar de imperador e não é eleito, - correu sem grandes problemas até à eleição de Giulio de Medici, Clemente VII. Este  Papa, deu-se conta que os banqueiros italianos estavam sempre em desvantagem e, logo que foi eleito em 1523, decidiu que a Banca italiana tinha de se impôr em Itália, primeiro pondo em dúvida as alianças estabelecidas pelo Império - Pastoril português - e, depois, ao proceder a uma nova escolha dos banqueiros para a Igreja, provoca com isso os conflitos mais declarados com o imperador em 1524, - Auto da Feira - e, porque não podia estar isolado, alia-se com o inimigo de Carlos V, Francisco I de França, - Clérigo da Beira - com a esperança de ficar melhor defendido e, ao mesmo tempo que a situação militar se vinha tornado mais duvidosa (com a prisão do rei de França), o Papa tentou assegurar que a Banca da Igreja se mantivesse em Itália, à porta de casa (Rossio, Hospital = Basílica de São Pedro, Vaticano) e assim, - Escrivães do Pelourinho - a Feira da Ladra deverá mudar, do Pelourinho Velho para o Rossio.
        A ideia da Mesa (banca) dos Escrivães (um adereço também figurativo na peça) na Feira da Ladra (outra figura na peça), e a escrita e leitura das Cartas, foi talvez sugerida pela mesa dos banqueiros nas feiras e pelas cartas de crédito e letras de cambio, pela sua emissão e recepção movimentando moeda (na figura do vintém), que constituiam as actividades mais importantes dos banqueiros nas principais feiras da Europa: Medina del Campo, Antuérpia (Anvers), Lyon, etc.

      
(...)





(c) 2008 - Sítio dedicado ao Teatro de Gil Vicente - actualizado com o progresso nas investigações.
GrammarNet

- Livros publicados no âmbito desta investigação, da autoria de Noémio Ramos:

978-989-977499-5 - Gil Vicente, Auto dos Quatro Tempos, Triunfo do Verão - Sagração dos Reis Católicos.
978-989-977498-8 - Gil Vicente, Auto dos Reis Magos, ...(festa) Cavalgada dos Reis.
978-989-977497-1 - Gil Vicente, Auto Pastoril Castelhano, A autobiografia em 1502.
978-989-977496-4 - Gil Vicente, Exortação da Guerra, da Fama ao Inferno.
978-989-977490-2 - Gil Vicente, Tragédia de Liberata, do Templo de Apolo à Divisa de Coimbra.
978-972-990009-9 - Gil Vicente, O Clérigo da Beira, o povo espoliado - em pelota.
978-972-990008-2 - Gil Vicente, Carta de Santarém, 1531 - Sobre o Auto da Índia.
978-972-990007-5 - Gil Vicente, o Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura".
978-972-990006-8 - Gil Vicente, Auto da Visitação. Sobre as origens.
978-972-990005-1 - Gil Vicente e Platão - Arte e Dialéctica, Íon de Platão.
978-989-977494-0 - Gil Vicente, Auto da Alma, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II... 
(2ª Edição)
978-972-990004-4 - Auto da Alma de Gil Vicente, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II...

- Outras publicações:
978-972-990000-6 - Francês - Português, Dicionário do Tradutor. - Maria José Santos e A. Soares.
978-972-990002-3 - Os Maios de Olhão e o Auto da Lusitânia de Gil Vicente. - Noémio Ramos.



Renascença e Reforma - líderes políticos e ideólogos - ideologia e História da Europa
Mapa do Sítio
© Noémio Ramos
Índice do Sítio
Lyrics in English
Livros Completos
downloads