Auto dos Quatro Tempos

Auto dos Reis Magos

Auto Pastoril Castelhano

Exortação da Guerra

Clérigo da Beira / Escrivães

Liberata / Templo de Apolo

Velho da Horta / Cassandra

Gil Vicente cassandra e velho da horta

Sobre o Auto da Índia

Alma / Papa Júlio II e Erasmo

Gil Vicente Auto da Alma

Visitação / Sobre as Origens

Gil Vicente, sobre as origens

Arte e Dialéctica - Íon Platão

gil vicente e plato
Stop MEE Youtube- VideoStop MEE Youtube- Video
  - Blogs:
irresiliências (blog)
o que eles escondem (blog)
Eugénio Rosa (economista)
Vicenç Navarro (economista)
Fernando Martins (blog)
Gil Vicente O Teatro de Gil Vicente
O Teatro de Gil Vicente
E pera declaração
desta obra santa et cetra...,
quisera dizer quem são
as figuras que virão

por se entender bem a letra.

  ... em  Romagem dos Agravados.
Lendo o Auto da India de Gil Vicente
Ler Erasmo e Gil Vicente

As figuras
nas personagens dos Autos
- os protagonistas -
em Obras


As suas obras dramáticas,
a lista de todos os autos,
em Autos

Datação das obras, dos Autos de Gil Vicente
Gil Vicente, artista da Renascença, reinventor do Teatro
MP3 Player requires JavaScript and the latest Flash player. Get Flash here.

Erasmo no Velho da Horta

Correcção ao Livro (isbn: 978972990007-5)

Gil Vicente, O Velho da Horta.
De Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura"

  
    Antes de mais queremos transcrever algumas palavras que melhor que nós respondem pelo trabalho que estamos a desenvolver. Palavras pronunciadas em 1933 numa conferência que, apesar do tempo, mantêm a maior actualidade. Uma Conferência realizada na inauguração da actividade da União Cultural "Mocidade livre" em 25 de Maio de 1933, republicada em Separata da "Gazeta de Matemática" nº 129-132, Lisboa 1976.

A cultura integral do indivíduo - problema central no nosso tempo

        (…)
        Não estará errado pela base o título e intenção desta conferência? É o nosso tempo susceptível de mais do que pequenos problemas parcelares sem conexão uns com os outros e reflectindo, na sua pulverização, o amorfismo actual?
        É a estas perguntas, que a mim mesmo tenho posto com angústia, que vou procurar dar uma resposta. Para ela, não reivindico outra categoria de valor que não seja a honestidade com que foi procurada. Sei demasiado, para que outro mérito pretenda ver-lhe atribuído, quanto são falíveis ainda os juízos mais prudentes, e, se não receio o erro, é só porque estou sempre pronto a corrigi-lo.
        (…)
  Bento de Jesus Caraça

          O criado do Velho - personagem do Auto do Velho da Horta, a peça que, como afirmámos, se encontra na sequência do Auto de Sibila Cassandra (1511) - o Parvo, constitui uma figuração de Erasmo de Roterdão (padre da Igreja) e não de um Cardeal, ou qualquer outro servidor (criado) da Igreja, como ficou erradamente expresso na primeira edição do livro em causa.
       … Todavia o verdadeiro e único deleite da alma é o gozo da consciência pura. Os seus saborosíssimos manjares são o estudo das Sagradas Escrituras; os seus dulcíssimos cantos os salmos do Espírito Santo; a mais festiva companhia, a comunhão de todos os Santos; a mais suave delícia, a fruição da Verdade (Erasmo de Roterdão - Enchiridion, 1503)
         
         Já no Auto da Alma, na segunda parte da peça, Gil Vicente tinha usado a metáfora dos manjares, nas iguarias, mas aí invertendo correlativamente a situação, aplicando-a para criticar Júlio II nas formas exteriores do culto, rituais e adoração das relíquias.
         No Velho da Horta o jantar (os manjares) são tomados na perspectiva de Erasmo, como na transcrição acima, na comunhão de todos. O objectivo do Parvo, pela sua caracterização na acção dramática da peça, é manter o casamento (aliança) entre a Velha (Igreja em Concílio, Pisa e Latrão) e o Velho (Papa Júlio II), e para isso desenvolve todos os esforços. Nas palavras de Erasmo: Cuida portanto de ser membro do seu Corpo e tudo te será possível unido à Cabeça. 
        As atitudes sempre insistentes do Parvo são de conciliação (preferência pelo conciliarismo) entre o Velho e a Velha, mas tem também sempre, como pressuposto, requerer a indispensável presença do Velho (do Papa em Concílio) no jantar, comendo do mesmo que a Velha preparou (alimentando o seu espírito com o preparado em Concílio) porque, senão, vai procurar outro dono (ao outro Concílio, conciliábulo de Pisa... Acresce, portanto, serem as refeições, a panela cozida, preparadas pela Velha - os alimentos do intelecto preparados pela Igreja para serem tomados em conjunto (em Concílio) - pois, também do outro lado (de Pisa) há expectativa de um acordo: veio lá meu tio (Luís XII) estava minha dona (Igreja) foi-se-lhe o lume pela panela (a decisão - lume - de convocar o Concílio para Pisa), e, se não houver acordo, acerto ou concertação nas concepções, haverá que acarear as decisões (dos dois concílios: Pisa e Latrão): senam acertá-lo acario... Toda a acção do Parvo é configurada, pela sequência da caracterização das ideologias (até então publicadas) de Erasmo, conforme Gil Vicente as representa no Auto da Alma (1508) e em Sibila Cassandra (1511).
         O Concílio de Pisa (conciliábulo), no qual foi exigida por convocatórias a presença do Papa, devido aos protestos da população de Pisa mudou-se para Milão (então em poder dos franceses) e, depois, em Junho de 1512 para Lyon, mas este “concílio” nunca chegou a ser fechado ou concluído. Luís XII manteve até à morte as decisões de Pisa com a destituição do Papa Júlio II, e só em 1515, o novo rei de França, Francisco I, aceitou aderir ao Concílio de Latrão anulando todas as decisões de Pisa.
         Gil Vicente figura deste modo o que considerou ser a posição de Erasmo no confronto ideológico entre o conciliarismo e o Poder Papal no momento histórico, entre o início do ano e Agosto de 1512, pois, a peça O Velho da Horta foi com certeza representada pela primeira vez em 1 de Novembro de 1512, dia de todos os Santos, como o comprova a ladainha a todos os santos marteirados - (24) doze santos cortesãos e doze santas damas da Corte, - celebrando em Lisboa, no mesmo dia, a reabertura do Jardim das estátuas (a Horta), a inauguração do corredor de Bramante, - no museu do Vaticano - abrindo um acesso glorioso entre as estátuas romanas à Capela Sistina, para aí desfrutar da pintura de Miguel Ângelo na abóboda da Capela (as ervas novas):
PARVO: Dono, veo lá meu tio / estava minha dona entam ela / foi-se-lhe o lume pola panela / senam acertá-lo acario (260).

PARVO: ... está a panela cozida. / Minha dona quer jentar! // Nam quereis?

        Está tudo preparado para que, em conjunto (em concílio) se alimentem as almas, para que cada um alimente o seu espírito (concepção de Erasmo).

VELHO: Nam hei de comer que me pês / nem quero comer bocado.

        Desse jantar (
a mais festiva companhia, a comunhão de todos os Santos) o Velho não quer comer, nem por nada, nem qualquer migalha (não aceitará qualquer decisão)!

PARVO: E se vós dono morreis / entam despois nam falareis / senam finado.

        A insistência do Parvo (Erasmo) em manter o casamento (aliança entre o Papa e a Igreja em Concílio) repete-se de diversos modos, ele adverte o Velho de que a sua morte se aproxima e que, depois, apenas irão ficar as suas relíquias (bichosas) que, dificilmente irão “dizer” alguma coisa. As expressões que se seguem na peça, sobre a degradação do corpo do finado Velho, figuram as críticas de Erasmo aos costumes de conservar e adorar relíquias, as dos santos, como as dos Papas. O que então era comum na Europa.
        Surge também a crítica pela falta de resposta do Papa à requerida presença nas reuniões dos Concílios (de Pisa e de Latrão), enquanto cardeais e bispos disputam e alimentam o seu intelecto, Júlio II desfruta das Artes do seu tempo:

PARVO:
... estão os outros jentando / e cantaremos!?

       Obedecendo ao Velho, o Parvo sai para ir buscar uma viola e, no regresso do Parvo, o Velho exclama perguntando:

VELHO: Hei de morrer!?
PARVO: Minha dona quer comer... / Vinde eramá, dono, que brada! / Olhai, eu fui-lhe dizer / dessa rosa, e do tanger, / e está raivada.
         Erasmo de Roterdão, defendia uma Igreja simples e humana, baseada num espírito de corpo, como Corpo de Deus (São Paulo) e opunha-se à riqueza, ostentação e opulência do Papado e da Igreja Romana - opunha-se às enormes despesas com a Basílica e com as Artes, - tal como era concebida por Júlio II… Como Erasmo, muitas outras vozes na época (sobretudo os secretos seguidores do "mártir", o louco dominicano, Savonarola) se opunham à ostentação da riqueza.
                       Velho:  Vai-te tu filho Joane
                      e dize que logo vou
                      que nam há tanto que cá estou.
                      Parvo:   Ireis vós pera o Sanhoane?    (310)
         O Velho manda o Parvo ir a São João de Latrão (V Concílio 1512-1517), vai-te tu, filho, Joane… Pois o Parvo insistia na necessária união com a Velha. Erasmo encontrava-se entre Pisa e Latrão - um pé num lado outro no outro - e, com Júlio II, estava mais perto do conciliarismo (não tanto em Pisa, mas em Latrão), todavia a sua posição tendia a aproximar-se do Papa. O Velho insiste na sua ida à igreja de São João de Latrão. O Parvo concorda e insiste com o Velho para ele ir também ao Concílio de Latrão: Ireis vós pera o Sanhoane?
         A oposição de Erasmo a Júlio II - estranhamente, ao contrário do que acontecerá com Leão X - era bem conhecida na época, dando azo a anedotas de parte a parte. E nesta peça, o Parvo (Erasmo) crítica e não aceita, de modo nenhum, a atitude do Velho (Júlio II) de permanecer quase alheio ao que se passa nas reuniões conciliares dos Bispos e Cardeais:

      PARVO: Polo céu sagrado / que meu dono está danado! / Viu ele o demo no ramo / se ele fosse namorado / logo eu vou [ao conciliábulo] / buscar outro amo.
                                                                  ***

       Assim (até nova edição), este texto completa e emenda pontualmente o texto do livro (Gil Vicente, O Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura") no que se refere ao que consta em: Figurando o conflito histórico.
       Com esta correcção, a acção dramática da peça fica mais rica e, numa encenação, para orientar a actuação e as expressões do actor no papel do Parvo, é importante ter presente esta componente da figura representada no Parvo. Não ver desde logo, na personagem do Parvo, a figura de Erasmo de Roterdão pode também ter tido origem no facto de o nosso inconsciente não aceitar a personificação dele como um Parvo. Contudo, havíamos já verificado que, em muitos casos, no teatro de Gil Vicente surgem grandes figuras internacionais personificadas como Bobos e Parvos.
                                Sem receio de entrar novamente em erro,
                                …porque estou sempre pronto a corrigi-lo.

Faro, 21 de Maio de 2011.
Noémio Ramos
Texto de Correcção em PDF (para juntar ao livro)

(c) 2008 - Sítio dedicado ao Teatro de Gil Vicente - actualizado com o progresso nas investigações.
GrammarNet

- Livros publicados no âmbito desta investigação, da autoria de Noémio Ramos:

978-989-977499-5 - Gil Vicente, Auto dos Quatro Tempos, Triunfo do Verão - Sagração dos Reis Católicos.
978-989-977498-8 - Gil Vicente, Auto dos Reis Magos, ...(festa) Cavalgada dos Reis.
978-989-977497-1 - Gil Vicente, Auto Pastoril Castelhano, A autobiografia em 1502.
978-989-977496-4 - Gil Vicente, Exortação da Guerra, da Fama ao Inferno.
978-989-977490-2 - Gil Vicente, Tragédia de Liberata, do Templo de Apolo à Divisa de Coimbra.
978-972-990009-9 - Gil Vicente, O Clérigo da Beira, o povo espoliado - em pelota.
978-972-990008-2 - Gil Vicente, Carta de Santarém, 1531 - Sobre o Auto da Índia.
978-972-990007-5 - Gil Vicente, o Velho da Horta, de Sibila Cassandra à "Tragédia da Sepultura".
978-972-990006-8 - Gil Vicente, Auto da Visitação. Sobre as origens.
978-972-990005-1 - Gil Vicente e Platão - Arte e Dialéctica, Íon de Platão.
978-989-977494-0 - Gil Vicente, Auto da Alma, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II... 
(2ª Edição)
978-972-990004-4 - Auto da Alma de Gil Vicente, Erasmo, o Enquiridion e Júlio II...

- Outras publicações:
978-972-990000-6 - Francês - Português, Dicionário do Tradutor. - Maria José Santos e A. Soares.
978-972-990002-3 - Os Maios de Olhão e o Auto da Lusitânia de Gil Vicente. - Noémio Ramos.



Renascença e Reforma - líderes políticos e ideólogos - ideologia e História da Europa
Mapa do Sítio
© Noémio Ramos
Índice do Sítio
Lyrics in English
Livros Completos
downloads